Outubro Rosa: Tudo que você precisa saber sobre o câncer de mama

Outubro Rosa e o câncer de mama
Outubro Rosa e o câncer de mama

O outubro é um mês muito especial no calendário das ações em prol da saúde em todo o mundo. É nele em que ganham destaques as ações em combate e prevenção do câncer de mama – um dos tipos de câncer que mais mata pessoas em todo o mundo. É importante dizer que o câncer de mama não é uma condenação: quando a doença é descoberta ainda em seu estágio inicial, é possível reverter a doença e as chances de cura são muitíssimo grandes.

O que é o câncer de mama?

No Brasil, são 2 milhões de novos casos todos os anos. As mulheres são mais afetadas – apesar da incidência de casos entre homens ter crescido consideravelmente – e o câncer pode ocorrer em qualquer idade – mas é entre os 40 e acima de 60 anos que os casos se tornam mais frequentes, mesmo que muitas mulheres na faixa do 20 e 30 anos têm passado pela doença.

O câncer de mama nada mais é que um tumor maligno, que se desenvolve na mama a partir de alterações genéticas em algum conjunto de células da mama, que passam a se dividir descontroladamente. Desta forma, ocorre o crescimento anormal das células mamárias, tanto do ducto mamário quanto dos glóbulos mamários. Todo câncer é caracterizado pelo crescimento anormal das células – e não seria diferente com o câncer de mama.

Fatores de risco do câncer de mama

Não se sabe ainda qual a causa preponderante no surgimento de um câncer – inclusive câncer de mama. Há, na verdade, uma série de fatores, que variam conforme a população e o contexto. É certo dizer que o câncer tem uma predisposição genética muito acentuada – desta forma, o histórico familiar conta muito. Se na sua família há pacientes em primeiro grau (mãe ou irmã) com câncer de mama antes dos 40 anos, este pode ser considerado um fator de risco.

Há ainda fatores de risco não modificáveis, como primeira menstruação precoce, menopausa tardia, ter filhos após os 30 anos e nunca ter engravidado, por exemplo. Entre os fatores modificáveis, dizem respeito ao ambiente e aos hábitos que uma pessoa possui – como ingestão de álcool (mesmo que moderada), falta de visitas regulares ao médico, excesso de peso, etc.

Como identificar os sintomas de um possível câncer de mama?

É possível detectar a doença com brevidade e garantir a cura completa do problema quando este é diagnosticado ainda no início. A doença é tratável e curável na maioria dos casos.

O principal sintoma é o surgimento de caroços e nódulos na glândula mamária. Eles são indolores na maioria dos casos, têm formatos irregulares e são duros. Em alguns casos, podem ser macios. Há inchaço em apenas parte do seio, irritação da pele ou aparecimento de irregularidades, como covinhas ou franzidos, ou que fazem a pele se assemelhar à casca de uma laranja. Pode haver ainda caroços nas axilas, secreção ou descamação da pele ou do mamilo.

O autoexame é um recurso muito útil na detecção do câncer de mama. Mas é importante lembrar que não é definitivo. Após os 40 anos, toda mulher deve realizar a mamografia para identificar possíveis nódulos. As consultas regulares ao ginecologista também podem ser fundamentais para a identificação do problema. Lembre-se que a conscientização salva milhares de vidas todos os anos.

Vídeo Outubro Rosa: Como prevenir o câncer de mama

Gostou do artigo? Deixe um comentário a seguir!


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *