Câncer de Fígado

Câncer de Fígado
Câncer de Fígado

O fígado é um órgão do tamanho de uma bola de futebol americano, e está localizado no lado superior direito do abdome. Essa patologia é bastante rara no Brasil, uma vez que ocorrem menos de 150 mil casos por ano.

O que é o câncer de fígado?

O câncer de fígado pode ser dividido em dois tipos: câncer primário – originado no próprio órgão, e o secundário ou metastático – com origem em outro órgão, mas que também atinge o fígado.

Entre os tumores que se manifestam no fígado, o mais frequente é o hepatocarcinoma ou carcinoma hepatocelular. Esse tumor é bastante agressivo, e ocorre em mais de 80% dos casos.

Existem outros tipos de câncer primário de fígado: o colagiocarcinoma – que começa nos dutos biliares do órgão, é responsável por 5% dos casos e ocorre principalmente entre pessoas de 60 e 70 anos; o angiossarcoma – câncer raro que tem origem nos vasos sanguíneos do fígado.

O câncer de fígado é mais comum entre os adultos, entretanto, existe um tumor maligno muito raro denominado hepatoblastoma. Esse tipo de câncer de fígado atinge recém-nascidos e crianças em seus primeiros anos de vida.

A taxa de sobrevida para câncer de fígado em 5 anos combinada para todos os estágios é de cerca de 15%. Parte da razão dessa baixa taxa de sobrevida é que a maioria dos pacientes com câncer de fígado também tem outras doenças concomitantes, como cirrose, que por si só pode ser fatal.

Sintomas do câncer de fígado

Os sintomas do câncer de fígado, quase sempre, só aparecem quando a doença está em seu estágio mais avançado. Entretanto, em alguns casos, eles podem aparecer logo no início da doença, o que permite o diagnóstico precoce e o início imediato do tratamento.

Dentre os mais diversos sintomas dessa patologia podem ocorrer: perda de peso, falta de apetite, sensação de plenitude na parte superior do abdome após uma refeição leve, náuseas, vômitos, febre, fígado aumentado, baço aumentado, dor abdominal, inchaço e acúmulo de líquido no abdome, coceira, icterícia (pele e mucosas amareladas), veias da barriga dilatadas e visíveis através da pele e agravamento da hepatite crônica ou cirrose.

Alguns tumores hepáticos produzem hormônios que atuam em outros órgãos além do fígado e podem causar aumento do cálcio no sangue, diminuição do açúcar no sangue, aumento da mama em homens, aumento dos glóbulos vermelhos, altos níveis de colesterol.

Assim como em outros tipos de câncer, os sintomas podem estar relacionados a outras doenças. Sendo assim, o mais indicado é procurar um médico caso esses sintomas apareçam.

Diagnóstico do câncer de fígado

Alguns sintomas podem sugerir que uma pessoa tem câncer de fígado. Entretanto, para confirmar a doença será necessária a realização de alguns exames.

É comum que o médico faça perguntas sobre o seu histórico clínico e de seus familiares próximos, além de perguntar sobre possíveis fatores de risco. Havendo a suspeita do câncer, o médico solicitará exames de imagem, laboratoriais e alguns outros procedimentos para confirmar o diagnóstico, como a biópsia, por exemplo.

Tratamento para o câncer de fígado

Assim que o diagnóstico é confirmado, a equipe médica costuma conversar com o paciente acerca das opções de tratamento. Dependendo do estágio do câncer, o tratamento pode incluir cirurgia (hepatectomia parcial ou transplante de fígado), procedimentos locais (ablação ou embolização), radioterapia, terapia alvo e quimioterapia. Em boa parte dos casos esses tratamentos são ministrados em combinação.

A conversa entre a equipe médica e o paciente permite que o tratamento e suas reações colaterais sejam claramente definidas de acordo com a necessidade de cada caso.

A taxa de sobrevida para os pacientes de câncer de fígado é de 5 anos após a realização do tratamento. Entretanto, com o avanço da medicina e as novas técnicas terapêuticas, as pessoas podem viver por muito mais tempo.

Em geral, as taxas de sobrevida são mais elevadas para pacientes que podem fazer a cirurgia para remover o tumor, independentemente do estágio.

Como prevenir o câncer de fígado?

O câncer de fígado pode ser evitado se a exposição aos fatores de risco conhecidos pela doença fosse evitada. As infecções crônicas por hepatite B e C são os fatores de risco mais significativos. E podem ser evitados se não houver o compartilhamento de agulhas e práticas sexuais inseguras. Já existe vacina para prevenção da hepatite B para pessoas em situação de risco. Mas, ainda não existe vacina para a prevenção da hepatite C. Pessoas com alto risco para hepatite B ou C devem fazer testes para essas infecções e tratadas, se necessário.

Outra forma de evitar o câncer de fígado é reduzir o uso de álcool e cigarro, pois são eles os principais causadores da cirrose. Manter um peso saudável também ajuda a prevenir a doença, assim como limitar a exposição a produtos químicos cancerígenos.

Tudo isso acompanhado de uma alimentação e hábitos saudáveis contribuirão para a prevenção do câncer, ou então, minimizar suas consequências.

Vídeo: Mais sobre o câncer de fígado


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *