Câncer de Próstata

Câncer de Próstata
Câncer de Próstata

São muitos os tipos de câncer descobertos pela medicina atualmente. A doença consiste na produção descontrolada de células que sofrem uma mutação conhecida como carcinogênese, assumindo características bastante anormais.

Embora existam muitos tipos de câncer, o mais comum diagnosticado nos homens é o câncer de próstata. Ele se desenvolve a partir de células normais na glândula prostática que se modificam, crescem aceleradamente e formam uma massa conhecida comumente como tumor.

Alguns desses tumores podem crescer devagar e não causar nenhum problema durante anos. Por outro lado, existem casos que os sintomas aparecem cedo, o que permite um tratamento mais eficaz e eficiente, aumentando as chances de cura.

O câncer de próstata é o sexto tipo mais comum em todo o mundo, representando cerca de 10% do total de ocorrências. De acordo com o INCA (Instituto Nacional do Câncer), no Brasil, são diagnosticados aproximadamente 50 novos casos a cada 100 mil homens.

A doença costuma aparecer a partir dos 65 anos. Entretanto, em caso de histórico familiar, quando pai ou irmãos são diagnosticados antes dos 60 anos, os riscos de desenvolver o câncer aumentam de três a dez vezes em relação aos índices gerais.

A próstata é uma glândula do tamanho e no formato de uma noz, localizada abaixo da base do pênis, em frente ao reto e abaixo da bexiga. Ela envolve a uretra, um canal que se assemelha a um tubo que transporta urina e sêmen através do pênis. Por esse motivo que um dos sintomas da doença é a dor no momento de urinar.

Como mencionado anteriormente, o câncer de próstata possui uma evolução silenciosa, não apresentando quaisquer sintomas em sua fase inicial, as vezes um aumento na frequência urinária. Entretanto, na fase mais avançada da doença, o paciente pode sentir dor óssea, uma vez que o tumor pode se disseminar para os ossos, fortes dores ao urinar e, em casos mais graves, insuficiência renal.

As causas da doença podem ser as mais variadas. Entretanto, uma vez que a idade é um dos principais fatores de risco, a melhor forma de prevenir o câncer é visitar o urologista periodicamente a partir dos 50 anos de idade.  O diagnóstico só pode ser feito através dos exames clínicos: toque retal e dosagem do PSA (antígeno prostático específico). Se os resultados sugerirem a existência da doença, uma ultrassonografia pélvica será solicitada para biópsia.

Assim que o câncer é diagnosticado, se em fase inicial, os médicos podem recomendar um procedimento rigoroso, com o uso de medicação. Qualquer outro tratamento só é cogitado se o câncer apresentar sinais de progressão. Quando isso acontece, mas o tumor ainda não se espalhou para fora da próstata, os médicos costumam recorrer à cirurgia para a remoção da glândula.

Se mesmo com a cirurgia o câncer continuar crescendo, tratamentos como hormonioterapia são indicados para reduzir o tumor antes da radioterapia. Somente depois de todos esses procedimentos é que a quimioterapia será utilizada. Ela é o último recurso, caso o paciente apresente alguma resistência aos tratamentos anteriores, principalmente o hormonal.

Alguns efeitos colaterais podem aparecer com o tratamento para erradicação do tumor, como incontinência urinária e disfunção sexual. Entretanto, é possível preveni-los e/ou trata-los com o auxílio de uma equipe médica.

Reportagem: A importância do diagnóstico precoce do câncer de próstata


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *